Pages

sexta-feira, agosto 28, 2009

Munícipes xenofóbicos


Xenofobia é o medo ou aversão por tudo que é diferente ou desconhecido. É também uma palavra utilizada para tratar de preconceitos raciais, culturais, grupais, entre outros. É o ódio criado por outras pessoas, transferindo para elas a "culpa" por tudo que é de ruim que ocorre na vida do preconceituoso.

O Brasil é um país cheio de contrastes e regido pela miscigenação racial, cultural, religiosa e grupal. Mas, por detrás da cortina da receptividade brasileira, há formas xenofóbicas sutis (e outras nem tanto).


Nordestinos são discriminados porque migraram para São Paulo, Minas e Rio de Janeiro em busca de melhores condições. São considerados por muitos como os culpados pela existência da pobreza e favelas nas grandes cidades da região Sudeste.


Negros são sistematicamente discriminados. Imigrantes colombianos, coreanos e outros sofrem também.


Venho acompanhando os comentários de pessoas sobre a lei de restrição de fretados no município de São Paulo. Os contra essa lei e os a favor dessa lei.


Estado democrático e livre, permite que expressemos o que bem acharmos. Entretanto, há aqueles que tecem comentários bem xenofóbicos do tipo "vocês que vem do interior, diariamente, para trabalhar na minha cidade, voltem para a cidade de vocês e arrumem trabalho, porque essa cidade pertence aos municipes", "nós quem pagamos o imposto municipal é que temos o direito aqui, vocês que moram em outras cidades, deveriam bagunçar o trânsito de suas cidades". E por aí vai.


Querem culpar um grupo de pessoas (as que utilizam os fretados) pelo caos do trânsito e a falta de transporte público.


Querem, portanto, expulsar aqueles que não pagam o imposto municipal, como se não houvessem outras formas de arrecadação municipal, como se esses mesmos munícipes preconceituosos não amaldiçoassem anualmente pelo pagamento do imposto municipal.


Cabem perguntas a essas pessoas:


- Qual é a sua naturalidade? Nasceu mesmo na capital paulista?
- Qual a nacionalidade de seus pais? Nasceram aqui no país?
- Qual é a sua cor? Qual a sua religião?
- Seus pais não vieram de outras cidades, estados e países em busca de melhores oportunidades ou sempre estiveram morando na cidade de São Paulo?
- O que diriam os munícipes das cidades litorâneas quando vocês invadem as praias, que eles pagam imposto municipal, todos os feriadões e férias?
- Que tal expulsar os imigrantes europeus que pululam em sua cidade?
- Que tal expulsarmos vocês, caso não sejam paulistanos?
- Que tal se as outras cidades, que vocês chamam de "cidades-dormitório" também fechassem suas fronteiras para os paulistanos?
- Não existem nenhum paulistano que paga imposto na capital, mas que trabalha nessas cidades?

5 comentários:

S* disse...

A xenofobia enerva-me. Somos todos iguais, valemos todos o mesmo.

Fatima disse...

Ótimo texto Edu!
Temos muita luta pela frente se queremos mudar alguma coisa.
Bjs.

apenasumponto disse...

Vou te falar... nem me fale em fretados!!! Só pq fui pra Sampa acabou...
E eu que em janeiro não ando na minha cidade que fica cheia de turistas, é muita intransigência. Pimenta nos olhos dos outros é refresco.
Beijos!
Rafaela

Rogerio Queiroz disse...

Calma Dado, cê tá nervoso!

Relaxa homem, acho melhor vc voar mais um pouco.

Éramos meninos e ouvíamos nossos pais queixarem-se do transporte público.
Éramos meninos e vivíamos de pés sujos de lama e um córrego a céu aberto ao pé de casa. A infra-estrutura que temos hoje era o sonho deles e hoje sonhamos com coisas que estarão disponíveis daqui a 40 anos e assim são as coisas.

Quando cheguei a Portugal fiquei maravilhado com as malhas viárias, com os ônibus automático e climatizados, trens para todos os lados e regulares, Metrô descentralizador, Ferry boats sincronizados, etc. Todos os transportes sem catracas e cobradores e todos os sistemas integrados. Perfeito né?
Bem, o quebra quebra é constante, o povo achava aquilo um lixo!!!
A Bianca está fazendo intercâmbio nos EUA e ela relatou um fato similar por lá, os americanos acham o transporte público uma vergonha.
As coisas estão sempre aquem das nossas necessidades, aqui e em qualquer lugar.

Não estou dizendo que devemos deixar pra lá ou nos conformarmos com isso, mas meu... Relaxa!

Um toque, os problemas com os fretados não são com os veículos, mas sim com seus condutores "profissionais".

Rogério.

Ivana disse...

Edu, adorei sua visita lá no Jámêvú, viu? E eu adoraria que minha mãe tivesse me deixado viver a alegria do xixi no banho, mas fazer o quê? Espero poder deixar meu filho fazer quanto xixi ele quiser! hihih
Beijo!

Blog Widget by LinkWithin