Pages

quinta-feira, março 20, 2008

Outono, divina estação

As folhas caem, a temperatura também. Mas é a estação que mais gosto.

Não canso de repetir: as cores da natureza são mais deslumbrantes, as sombras, ao entardecer, são mais longas, o céu de um azul mais profundo, o cheiro no ar mais vivificante, o clima mais romântico e as paisagens mais bucólicas.

Estação em que meu espírito aprecia, onde percebo mais a proximidade dos mundos, onde a agitação do verão dá lugar à calmaria.

Passeios e caminhadas em um ambiente mais silencioso.

Parece que as pessoas olham mais para a natureza, olham mais à sua volta.

A gloriosa natureza se prepara para o inverno, mas sem entregar os pontos: ela viceja. Põe novas cores nas árvores, nas plantas, na paisagem. O ar fica mais seco.

Os parques, os bosques, as matas parecem portas para um mundo de coisas mais profundas, mais consistentes.

Não há época melhor para namorar e enamorar-se.

Ler sob a luz tênue de um final de tarde, prestar a atenção na noite chegando, nas primeiras estrelas brilhantes.

O orvalho aparece e as manhãs friazinhas convidam para um fumegante dejejum.

A natureza parece compor uma divina ária, um clássico barroco ao som do cravo e o choroso violino.

Deus, esse criativo arquiteto presenteia-nos pelos detalhes, pelas matizes, pela serenidade que o outono propicia.


Agradeço por essa estação existir.

Um comentário:

Monitor de LCD disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Blog Widget by LinkWithin